Atenas (Grécia): Despejo da okupa Villa Amalias

Villa_Amalias_Athens

Durante vários anos, estamos vivenciando uma ofensiva sem precedentes do Estado e capital contra a sociedade. Enquanto o regime leva a miséria para milhões de pessoas, leva a cabo uma operação contra toda a resistência social que se opõem ao totalitarismo que pretende impor. Partindo das ocupações em um primeiro momento, centros sociais e espaços ocupados e projetos auto-geridos foram colocados no centro desta operação.

Depois de várias tentativas de reprimir okupas em várias cidades (Delta, Nadir e Orfanotrofío em Tesalónica, Apertus em Agrinio, Draka e Elea em Corfú, Vox em Atenas, o local auto-gestionado da Universidade de Réthimno em Creta, Afroditis 8 em Berea, a okupação do velho mercado municipal no bairro ateniense Kipseli, e.tc.), desta vez o Estado atacou o squat “Villa Amalias”, no centro de Atenas, no bairro que é a base de operações para terroristas Neo-nazistas fascistas, com o apoio e respaldo do aparato estatal e paraestatal. Este squat tem 22 anos de funcionamento.

Na quinta-feira, 20 de dezembro cerca de 07:00, policiais de vários órgãos das forças repressivas, acompanhadas por um promotor chegaram na ocupação. O pretexto para a operação de despejo foi uma suposta “denúncia anônima” contra o squat. Dois esquadrões chamados de choque e da polícia secreta havia cortado várias acesso a Heyden Street, que abriga o squat. Poucos minutos depois, a polícia invadiu e evacuou o prédio, prendendo oito pessoas, seis das quais eram moradores e dois outrxs hóspedes do exterior. Tudo o que estava dentro do edifício foi carregado em caminhões do município de Atenas e levado para o Departamento de Polícia.

Logo após a operação policial, cerca de 150 solidárixs reuniram em frente ao squat, embora o acesso à área fosse extremamente difícil, já que havia madeiras espalhadas por toda parte. Várixs solidárixs não conseguiram chegar a ocupa por sterem sido retidxs pelo equipamento de poder de polícia. Além disso, um grupo de solidariedade foi para a prefeitura de Atenas e subiu para o sexto andar, onde fica o escritório do prefeito. Todxs foram presxs e levados para o Departamento de Polícia, juntamente com outrxs prisioneirxs e detidos. Às 15:00 h somente xs presxs na prefeitura foram liberados.

Depois do meio-dia aumentou o número de manifestantes em solidariedade com a ocupação despejada e todas as ocupações, apesar de haver fortes polícia perto do prédio da ocupação. Os manifestantes desfraldaram bandeiras e instalaram um sistema de comunicação para informar os transeuntes da repressão. Várias comunidades, ocupações e sites contrainformativas expressaram sua solidariedade com “Villa Amalias”.

Primeira atualização: Na noite do mesmo dia da expulsão ocorreu uma reunião em um edifício da Universidade perto da okupação. Depois dela, mais de 1.500 pessoas participaram de uma marcha para “Villa Amalias”.

Segunda atualização: Na sexta-feira 21 de dezembro, os oito réus compareceram perante o Ministério Público. Na segunda-feira 24 de dezembro será defendida perante o juiz de instrução. Eles são acusados ​​de vários delitos e crime por posse ilegal de explosivos. Fora dos tribunais cerca de 200 pessoas se reuniram em solidariedade.

Comunicado do squat “Villa Amalias” sobre seu despejo pela polícia

Hoje 20 de dezembro de 2012 a polícia invadiu o squat Villa Amalias sob o pretexto de uma reclamação de drogas, foi conduzinda uma investigação na presença de um promotor. Os resultados são ridículos. No entanto, (o ministro) Dendias afirmou que a partir destes é mostrado que a okupa tem sido um centro de ilegalidade por 22 anos e, finalmente, a lei é restaurado com a “coragem política” de (primeiro-ministro) Samaras .

Mediante qual acrobacia lógica garrafas de cerveja vazias podem se qualificar como “materiais para confecção de coquetéis molotov?” Em um squat em que funcionam um espaço de concertos e café, é ilógico a existência de um grande número de garrafas de cerveja vazia? O que significa “material inflamável”? Eles estão falando dos líquidos de limpeza da maquina de impressão que está sendo usada no squat? Vamos falar sobre máscaras de gás, cada manifestante que cuida de seu estado de saúde deve ter. Vamos falar sobre os meios de auto-protecção elementar (fogos de artifício, estilingues, e.tc.) dentro de um squat que tem sido repetidamente atacados por gangues paraestatais (incêndios, esfaqueamentos, espancamentos), que teve seu auge em 2008 quando o então ministro da Ordem Pública Markogiannakis visitou os “habitantes” do bairro Panteleimonas Águios e poucos minutos depois da partida, recebemos um ataque.

Assim, sob o pretexto de investigação, a intenção de fazer um sonho a que eles estão apegados: Invasão em um espaço para eles é um símbolo de todos aqueles que são relutantes para o que representa a soberania, a tributação, indiferença, esterilização, resignação, submissão. Nisso eles estão certos. É nós. Nós somos os milhares de manifestantes, lutadores, okupas, grevistas, lutadores de rua. Somos os desempregados e os sem-teto, sem-teto e os punks, vegetarianos e feministas, corujas noturnas e os trabalhadores, os pobres e os que foram ofendidos, vítimas de racismo e injustiça Vingadores. O ministro descreveu-nos como o foco de ilegalidade …

Agora falando sério. Villa Amalias é proposta de organização, que na era do canibalismo dos memos teria de ser reprimida. A ofensiva do capital contra a classe trabalhadora pressupõe a destruição de todas as estruturas que esta classe tenha. A abolição dos sindicatos e a eliminação dos direitos conquistados, as estruturas de solidariedade e de desobediência, bem como projetos auto-organizados estão em seus planos. A agenda ultradireitista que prevaleceu desde o início da crise começou com as declarações do ministro Loverdos sobre bombas de higiene e contra os 300 imigrantes grevistas de fome. Ele continuou a colocar nos holofotes os imigrantes (parede ao longo do rio Evros, na fronteira com a Turquia, campos de concentração para imigrantes que operam Xenios Zeus), a humilhação de usuários de drogas HIV-positivos, o que foi acompanhado pela extrema-direita, a violência contra os imigrantes, homossexuais, e vendedores ambulantes. A tortura de antifascista da marcha antifascista na Direcção-Geral da Polícia, os ataques contra as ocupações e repressão brutal de todo o trabalho ou demandas sociais, não deixam dúvida de que o adversário tenha formado um bloco sólido contra qual devemos resistir.

22 anos atrás nós estávamos aqui, em um edifício que tinha sido abandonado por décadas. Estamos restaurando e dando vida. Somos uma okupa, que sempre teve as suas portas abertas para grupos, pessoas e projetos que promovam a cultura antimercantilista, a dignidade humana, as lutas sociais, anti-fascista e de classe. Villa Amalias trava uma dura luta para proteger não 10 paredes, mas os desejos, sonhos e esperanças de uma vida mais livre para todos.

Chamamos a todos os que encontram uma parte de si mesmo no funcionamento desta ocupação durante muitos anos, para dar a esta batalha crucial com a gente.
Neste moinho, os carrascos-Don Quixotes estão atacando, sói que na verdade eles estão perseguindo idéias. Para eles, essas idéias são ilegais. Perseguindo quimeras e escolhem pesadelos.
Libertação imediata dxs okupas de Villa Amalias

[Publicado em Okupa y Resiste]