Lisboa: Espaço libertário ameaçado de despejo

portugal-espaco-libertario-em-li-1

Comunicado:

Caros companheiros,

A BOESG (Biblioteca dos Operários e Empregados da Sociedade Geral) é uma antiga biblioteca operária fundada no dia 1 de Janeiro de 1947, localizada na Rua das Janelas Verdes em Lisboa desde 1960. Com o passar dos anos, a BOESG foi acumulando um acervo riquíssimo de cerca de 6 mil livros, quer na área da literatura, quer em muitas outras áreas do saber.

Atualmente, a BOESG assume um novo projeto, como Biblioteca Observatório dos Estragos da Sociedade Globalizada, mantendo o incentivo à leitura e ao conhecimento que a caracterizava, mas juntando a observação e a ação sobre a alienação política, econômica e técnica. Organizado o acervo por seções, com o propósito de o catalogar e estudar, procura-se sempre uma ligação entre as seções e os referidos objetivos, através da obtenção de livros novos, debates e conversas à volta de um tema ou de um livro, lançamento ou mesmo edição de livros ou brochuras, realização de oficinas, ciclos de cinema, feiras, etc.

Mas todo este trabalho poderá ser posto em causa. Os estragos da nova lei do arrendamento chegaram à BOESG. A biblioteca recebeu uma notificação do Ministério da Justiça informando que, ao abrigo do novo regime de arrendamento, o senhorio reivindica o aumento da renda da BOESG dos atuais 81 euros para 706,61 euros. Como é evidente, trata-se de um aumento brutal que inviabiliza a continuação das atividades da biblioteca. Já estamos em contato com um advogado para definirmos como deveremos proceder e estamos a recolher informação de várias origens para melhor podermos decidir o que fazer. Contudo, uma coisa é certa: qualquer recurso judicial acarreta custos avultados.

Como é que os vários espaços, coletivos, pessoas nos podem ajudar? De várias maneiras: dando informação de situações deste gênero com outras coletividades e enviando-a para o e-mail da Biblioteca (boesgbiblioteca [at] gmail [dot] com), seja divulgando ao máximo a nossa situação, dentro e fora do estado português, e apelando à ajuda financeira para despesas judiciais, seja, finalmente, com a realização de jantares benefit a favor da BOESG.

A união das pessoas e coletivos que estão, ou podem vir a estar em risco, pode ser a única resposta eficaz, numa luta que é principalmente contra a lógica do capitalismo: o lucro dos proprietários está acima de tudo e é mais importante do que os direitos básicos das famílias, do que o acesso a espaços de convívio ou do que a existência de cultura. Acreditamos que, com a mobilização de todos, seremos capazes de vencer esta luta pela manutenção de um espaço com os objetivos e propósitos da BOESG.

Obrigado!

BOESG