Barcelona: Voltaremos ao Banc – Texto escrito após o despejo da ocupação El Banc

Este texto foi escrito logo após o despejo da ocupação El Banc Expropriat, no bairro de Gracia, em Barcelona. O despejo foi realizado no dia 23 de maio de 2016, após um conflito de cerca de 10 horas entre a polícia e xs ocupantes. O espaço estava ocupado desde outubro de 2011. O texto foi traduzido a partir da versão original, em catalão.

Anteontem, dia 23 de Maio, expulsaram El Banc Expropiat, depois de mais de 160 dias de resistência (mais de 100 durante a primeira campanha e, desta vez, 87 dias).

A primeira vez a Câmara decidiu pagar, às escondidas de toda a gente, mais de 65.000€ a Manuel Bravo Solano, proprietário do banco. Tentavam evitar um novo Can Vies ante das eleições municipais iminentes, se bem que nessa altura disseram que esse dinheiro era para defender o “valor social” de El Banc. Mais tarde, reconheceram que o seu objetivo era evitar que se rompesse a paz social, a qual para eles equivale a que as pessoas não se queixem. Eles sabiam que a expulsão do Banc comportaria todo tipo de respostas. Isto é o que finalmente aconteceu ontem. Antes de mais nada, queremos agradecer a solidariedade que recebemos de parte de todo tipo de pessoas, que mediante diferentes formas de ação defenderam El Banc, e que o fizeram tanto para este projeto como para todas as outras lutas que existem hoje em dia.

A raiva que explodiu ontem não é só devida ao Banc, é também devida a todas as detenções que tiveram lugar durante os últimos meses, todos os espaços okupados e libertários que sofreram batida policial, ao assassinato de Juan Andrés Benítez que expôs outra vez a impunidade policial.

Entendemos que haja vizinhxs que estão chateadxs com a situação do bairro e com os danos físicos que sofreram, mas como já dissemos noutras ocasiões, defenderemos o Banc de todas as maneiras possíveis.

Toda as pessoas que viram as cargas policias constataram a violência policial, que deixou cerca de 50 pessoas feridas, algumas com a cabeça, os joelhos, as mãos ou os braços partidos. Esta é uma outra razão para ficar onde estamos e tentar voltar ao Banc.

Voltaremos ao Banc.