Grécia: Novos e velhos senhores

Parte 1: O ataque repressivo.

Quatro anos e meio depois que o Syriza herdou a revolta nacional contra a ditadura de austeridade do FMI e uma agonia se estabeleceu no país, a direita, sob a liderança do partido Nova Democracia, mais uma vez mantém as alavancas do poder político em suas mãos. No programa governamental imediato dos “seis pilares”, a “restauração da ordem pública” desempenha um papel central. Há dias, unidades policiais fortemente armadas patrulham o centro de Atenas.

Até o final do ano, 1500 novos empregos para policiais extras serão criados, o que beneficiará principalmente as unidades de contrainsurgência. As unidades DELTA, notórias por sua brutalidade, também estão sendo remontadas. Seu desmantelamento foi uma das poucas promessas eleitorais mantidas pelo Syriza. Recursos adicionais para a logística da polícia serão disponibilizados em uma base para este propósito e uma modernização abrangente da frota de veículos está na agenda para o próximo ano.

Essas medidas acompanham uma “declaração de guerra” ao meio antagônico da capital grega, que usa exatamente essa forma de expressão militarizada em suas palavras. O novo Ministro da Ordem Pública, Michaelis Chrisoxoidis, vangloria-se publicamente de que deseja eliminar todas as ocupações no distrito de Exarchia. Além disso, o novo governo quer eliminar a peculiaridade grega do asilo universitário, um legado da resistência contra a ditadura militar fascista nos anos 70. Desde a queda dos fascistas, as forças repressivas foram proibidas de entrar nos campi universitários. No final, todos os governos anteriores não se atreveram a tocar esse legado histórico da revolta da Escola Politécnica de Atenas de 1973. Durante décadas, as importantes universidades de Atenas, mas também de Tessalônica, foram o principal ponto de encontro das mobilizações espontâneas de esquerda. Não apenas em aniversários como o de 17 de novembro, eles oferecem espaços não só para debate e organização, mas também vantagens táticas sólidas nos confrontos com os policiais.

Outros pontos no programa imediato do governo serão o extenso cancelamento da prisão para os detentos, não haverá mais a possibilidade de que as pessoas sentenciadas à prisão perpétua sejam libertadas “prematuramente”, novas prisões de alta segurança do tipo Gamma serão construídas. Todas estas medidas visam, em particular, os presos políticos; nos últimos anos tem havido numerosas lutas dos quadros de presos políticos, disputados e enfraquecidos em si mesmos, que reuniram as facções antagônicas em ações de apoio.

Não há dúvida de que o ambiente antagônico na Grécia, apesar de todas as tendências em direção ao sectarismo (em nenhum outro lugar as disputas políticas entre si são tão amargas e tão ferozmente disputadas), provavelmente ainda é uma das facções “mais poderosas” da Europa. Não apenas a cada ano, no dia 6 de dezembro, aniversário do assassinato de Alexis, centenas de coquetéis molotov iluminam o céu noturno de Atenas, Tessalônica e Patras.

Se e como os companheiros gregos serão capazes de combater este ataque materialmente, e acima de tudo politicamente, está escrito nas estrelas. O que pode não ser realmente útil é a expansão do turismo antimotim, especialmente no dia 6 de dezembro, que assumiu dimensões que, em Exarchia, já podem ser encontrados grafites em referência a esse turismo indesejável. Afinal, tem-se a ver com todos aqueles que invadem o distrito em busca do último remanescente de autenticidade que o império decadente ainda tem a oferecer.

Agora, será vingado que nossa cumplicidade em todos esses anos tenha sido limitada de novo a eventos como o G20 em Hamburgo, nós nunca fomos capazes de estabelecer alianças táticas e estratégicas entre nós. Mas talvez os próximos meses também ofereçam uma oportunidade para compensar esses erros. A luta por Exarchia será longa e difícil, neste ponto não há espaço para ilusões. Para os nossos companheiros gregos, a questão imediata é nada menos que tudo. E talvez nos lembremos daqueles dias e noites em dezembro de 2008, quando nossos corações estavam na Grécia, mas não tínhamos nada de verdadeiramente relevante aqui.

O inverno está chegando.

Devemos finalmente nos preparar para isto.


Grupos em Grécia: https://radar.squat.net/pt-br/groups/country/GR
Calendário de eventos em Grécia: https://radar.squat.net/pt-br/events/country/GR


Sebastian Lotzer, 23.07.2019
https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/08/01/alemanha-novos-e-velhos-senhores-na-grecia/