Atenas: Koukaki sente o peso sobre si

Desde 2017, a Koukaki Squat Community (composta pelas ocupações Matrozou 45, Panaitoliou 21 e Arvali 3) estabeleceu um exemplo de vida comunal diferente e relevante no centro de Atenas. Projetos abertos de habitação comunitária, banheiro público e lavanderia, compartilhamento de roupas, espaços para eventos públicos e uma biblioteca multilíngue foram formados através de procedimentos horizontais, trabalho coletivo e persistência. Funcionando em uma vizinhança residencial que vem sendo transformada em resort turístico de primeira-classe, a Koukaki Squat Community formou um aterro contra as políticas repressivas e econômicas do Estado e dos patrões, contra o fascismo, o racismo, e o patriarcado. Uma lareira viva de resistência que apoiou e conectou ativamente outros esforços, projetos políticos e assembleias públicas [1].

Uma comunidade como esta, de igualdade e solidariedade, não poderia deixar de ser noticiada. Como muitas outras ocupações e projetos políticos em Atenas, as ocupações em Koukaki foram visadas várias vezes pelo Estado, tanto pelos governos do Syriza [esquerda] como do Nea Dimokratia [direita], e também por ataques fascistas [2]. Os camaradas enfrentaram evacuações e repressão, mas resistiram e defenderam sua comunidade retomando as casas e fazendo intervenções dinâmicas. [Read More]

Atenas: anarquistas reagem ao despejo da okupa Kouvelou

O governo grego entrou em guerra com anarquistas e antiautoritários, após o fim de um ultimato de 15 dias emitido pelo Ministro da “Ordem Pública”, direcionado às dezenas de okupações políticas e de refugiados por toda a Grécia (algumas delas com mais de 10 anos), ameaçando-as com despejos violentos pela tropa de choque e forças especiais da polícia, se eles não abandonassem os locais dentro do prazo. O prazo acabou na noite de quinta-feira, 5 de dezembro de 2019, uma decisão política pelo Estado grego com o objetivo de agitar e criar uma “atmosfera explosiva”.

Após a primeira onda de ataques e despejos, principalmente contra okupas de refugiados durante o outono, a segunda onda de ataques começou, desta vez contra okupas políticos e centros sociais. Coincidindo com a prisão de antifascistas e a proposta judicial de absolvição de líderes neonazis no julgamento do partido fascista Aurora Dourada, o governo grego de direita e o seu autoproclamado socialista Ministro da “Ordem Pública” prosseguiram com o despejo da Villa Kouvelou em Marousi, Atenas, na terça-feira, 17 de dezembro, enquanto outras três okupas foram despejadas hoje, 18 de dezembro, em Koukaki (Matrozou 45, Panaitoliou 21, Arvali 3), após uma operação policial enorme, que aterrorizou todo o bairro com a brutalidade policial, atacando pessoas que vivem em casas adjacentes que não eram okupas. Imagens brutais de policiais da SWAT grega pisando com as botas na cabeça das pessoas no chão e uma mãe amarrada no chão do terraço com um capuz na cabeça, lembrando imagens da tortura de Abu Ghraib, foram divulgadas na mídia. [Read More]

Grécia: Intervenção em massa nas ruas de Kolonaki

Há uma crença completamente errada de que Exarcheia é uma área no mapa cercada pelas ruas de Patision, Alexandra, Charilaou Trikoupi e as colinas Steki. De fato, existe uma área da metrópole do que hoje é chamado Exarcheia, onde há décadas há uma territorialização parcial de movimentos políticos radicais, um acúmulo excessivo de negações políticas ou culturais organizadas ou espontâneas. Mas isso é um produto da historicidade, e o historicismo está sendo redefinido. Nada garante que Exarcheia fique onde está, esteja sozinha ou tenha o mesmo tamanho para sempre. E quando colocamos Exarcheia entre aspas, não queremos dizer o bairro, mas um fenômeno político: um centro territorial de superlotação de negações dentro da metrópole.

Não deve ser mal interpretado. No momento, Exarcheia, como está no mapa, é de particular importância. O Estado, se quiser pagar os custos, pode fechar os centros rapidamente com seus esquadrões. Possui uma variedade de ferramentas de aplicação coercivas que toda a sociedade controla se deseja tanto os edifícios que os receberão. Mas Exarcheia não obterá o local que está hoje. Sejamos orgulhosos do orgulho, mas podemos dizer com certeza que, durante muito tempo, os Plevris não podiam tomar seu café ao meio-dia na praça sem serem protegidos pelos esquadrões e guarda-costas da MAT [tropa de choque]. Isso é uma indicação de que Exarcheia “caiu”, que deveria haver uma área em que os poderosos, aqueles que encontram tapetes vermelhos em outros lugares, não sejam bem-vindos… [Read More]

Atenas: da teoria à prática – uma resposta inicial – 15 prédios liberados

Todo o mecanismo estatal do governo Mitsotakis, liderado por suas forças repressivas, se opõe a qualquer coisa que desafie suas imposições de normalidade. Ele usa a doutrina da “lei e ordem” e a retórica de tolerância zero como um véu para encobrir e tirar a atenção de suas intermináveis inconsistências. Alimenta seus constituintes com a retórica de nação, segurança, legitimidade e desenvolvimento, adotando modelos de polarização e paradigmas de épocas passadas. O objetivo é claro: a tentativa de erradicação das estruturas de luta e a destruição do movimento revolucionário, que se opõe a seus planos de desenvolvimento e a qualquer modelo da chamada gentrificação urbana.

[Read More]

Grécia: Governo grego dá ultimato de 15 dias às ocupações

Nesta quarta-feira (20/11), o governo de extrema-direita do partido Nova Democracia lançou um ultimato contra as ocupações no território grego e anunciou que prenderá os imigrantes nas ilhas gregas.

O governo de Kyriakos Mitsotakis está aumentando o conflito com o movimento anarquista. Após a sangrenta repressão em Exarcheia no domingo passado, o governo de extrema-direita anunciou o despejo de todas as ocupações. Na quarta-feira, o Ministro da Proteção do Cidadão emitiu um ultimato de 15 dias aos ocupantes que ocupam prédios, privados ou públicos, no território grego para evacuar as instalações.

O ultimato de 15 dias terminará na véspera do aniversário do assassinato do jovem anarquista Alexandros Grigoropoulos. O ultimato nada mais é do que outra declaração de guerra contra o movimento anarquista, e o fato de que o prazo terminará em 5 de dezembro, deixa bem claro que o governo grego quer aumentar o conflito e espalhar o medo.

O anúncio é outra etapa da campanha repressiva do Estado grego, que já dura meses. Companheiros e companheiras em Atenas estão pedindo ações de apoio e solidariedade. A “Assembleia No Pasaran” convocou uma reunião de emergência no edifício Gine, em Atenas, no sábado, 23 de novembro, às 20h00. [Read More]

Porto Alegre (RS-Brasil): Heavy Hour 56 – Quando os ricos invadem as áreas dos pobres…

HEAVY HOUR 56 – 09.09.19

Os bacanas estão de olho na Bonja! E não é para auxiliar a comunidade, é para desalojar as pessoas de lá! Porto Alegre, como qualquer grande cidade, “sofre” com a especulação imobiliária. Sofre, assim, entre aspas, porque sua administração joga contra a população. Conversamos, portanto, com duas representantes da resistência na Bom Jesus, Cris Medeiros, moradora do local e conselheira tutelar, e com a advogada Rosa, também moradora, sobre as invasões – sim! – de corporações privadas que querem retirar mais de 80 famílias de um local onde moram há mais de 30 anos para seguir seu empreendimento imobiliário – vulgo condomínio de bacana. [Read More]

Grécia: Ações e apoios em todos os continentes. “Não toque em Exarcheia!”

As mensagens nos chegam do Brasil, França, Austrália, Espanha, Argélia, Canadá, Alemanha, Japão, Bélgica, Uruguai, Eritreia, Escócia, Hong Kong, México, Itália, Argentina, Portugal, Tunísia, Suíça, Chile, Países Baixos, Estados Unidos…
A tal ponto, que será melhor contar os países dos quais não se tenha recebido nada: Mônaco, Vaticano, Luxemburgo, Ilhas Cayman, Liechtenstein… [risos]
Não posso publicar tudo aqui e agora, entre outras correrias e emergências, mas no momento aqui vai um pouquinho sobre as últimas notícias.

Várias embaixadas e consulados da Grécia ou fundações privadas gregas que apoiam o novo primeiro ministro foram alvo de ações: vidros quebrados e pixações desde Nantes no consulado e em Montevidéu; concentrações diante de muitos consulados e embaixadas, especialmente em Bordeaux e Lion. Apoio do St. Pauli, o famoso time de futebol antifascista de Hamburgo. Mobilizações e sentadas em muitas cidades, como em Glasgow, na Escócia. Mensagens com hashtags de Melbourne, na Austrália, ou com cartazes em Colonia, na Alemanha. Aviso da CNT francesa que identifica a lista de embaixada e consulados honorários em todas as regiões da França para organizar concentrações de apoio. Criações artísticas de todo tipo em apoio a Exarcheia. Ações performáticas na Bretanha, no bosque ocupado de Osterholz em Wuppertal, na Alemanha. No alto de um edifício de Madrid, na Espanha, em Viena, na Áustria, em Saillans na Drôme, em Martigues perto de Marselha, na Reole em Gironda. Ataques contra vários edifícios e veículos relacionados com o poder na Grécia, especialmente o escritório de um deputado do partido Nova Democracia em Patras. Hashtags contra a operação “Lei e Ordem” um pouco em todas as partes. Textos de apoio na imprensa independente, por exemplo em Politis. Etc. Etc. Etc. [Read More]

Grécia: o Estado e os fascistas de mãos dadas contra anarquistas e imigrantes

Enquanto o ataque ao bairro rebelde e solidário de Atenas acaba de começar na segunda-feira (26/08), as máscaras caem!

Sim, você leu corretamente: entre outros, são policiais [foto] usando distintivos fascistas que iniciaram a “limpeza de Exarcheia”. Não escondiam sua pertença e não deixavam de ser zelosos.

Enquanto o [partido] Aurora Dourada está desaparecendo, derrotado nas ruas por grupos antifascistas, suas instalações fecham uma após outra, sua sede principal estará à venda em breve, seu bairro favorito foi abandonado e as demissões de seus líderes chovendo desde a perda de todos os seus assentos no parlamento, algo ainda permite que os neonazis se alegrem: o ataque do Estado grego contra o bairro libertário e antifascista, onde muitos imigrantes vivem livremente.

Esta é uma verdadeira vingança para os neonazis gregos, alguns dos quais trabalham na força policial e às vezes se reconhecem através de sinais que se referem diretamente à mitologia do Aurora Dourada. É um momento excepcional para participarem do ataque ao bastião antiautoritário de Atenas. [Read More]

Grécia: Repressão, polícia grega desaloja quatro espaços ocupados por migrantes em Exarcheia

Mais de 100 pessoas, em sua maioria migrantes, foram detidas no início da manhã desta segunda-feira (26/08) em espaços ocupados, como parte de uma grande operação policial no bairro de Exarcheia, em Atenas.
Várias dezenas de agentes despejaram pelo menos quatro casas ocupadas de refugiados e migrantes neste bairro anarquista da capital grega.
O novo governo direitista de Kyriakos Mitsotakis prometeu “colocar em ordem” Exarcheia, enviando à polícia ao bairro.
Este bairro no coração de Atenas é palco de inúmeros projetos anarquistas e de frequente confrontos entre grupos anarquistas e agentes da lei, particularmente após a morte do jovem anarquista Alexis Grigoropoulos nas mãos de um policial em 2008, o que levou a vários dias de tumultos.
No final de julho passado, o oficial condenado pela morte de Alexis foi libertado após uma redução de pena.
O novo prefeito de Atenas, Costas Bakoyannis, que tomou posse neste domingo (25/08), também prometeu fazer da segurança seu principal objetivo, acusando o governo anterior de “tolerância” contra o vandalismo de certos grupos anarquistas.
A solidariedade é nossa arma. Não passarão! [Read More]

Grécia: Novos e velhos senhores

Parte 1: O ataque repressivo.

Quatro anos e meio depois que o Syriza herdou a revolta nacional contra a ditadura de austeridade do FMI e uma agonia se estabeleceu no país, a direita, sob a liderança do partido Nova Democracia, mais uma vez mantém as alavancas do poder político em suas mãos. No programa governamental imediato dos “seis pilares”, a “restauração da ordem pública” desempenha um papel central. Há dias, unidades policiais fortemente armadas patrulham o centro de Atenas.

Até o final do ano, 1500 novos empregos para policiais extras serão criados, o que beneficiará principalmente as unidades de contrainsurgência. As unidades DELTA, notórias por sua brutalidade, também estão sendo remontadas. Seu desmantelamento foi uma das poucas promessas eleitorais mantidas pelo Syriza. Recursos adicionais para a logística da polícia serão disponibilizados em uma base para este propósito e uma modernização abrangente da frota de veículos está na agenda para o próximo ano. [Read More]