Rio de Janeiro (Brasil): Os moradores da Vila São Jorge seguem resistindo após o despejo

Os moradores da Vila São Jorge, despejados em meados e junho ,continuam acampados e realizado periódicos fechamentos de rua para chamar a atenção e pressionar por seu direito à habitação. Pedem ajuda com doações e apoio de pessoas no local.

Como parte do ataque às ocupações urbanas e à luta por habitação, a ocupação Vila São Jorge, no bairro de São Cristóvão (Rio de Janeiro), foi despejada em meados de junho, contrariando a expectativa do decreto municipal do prefeito Marcelo Crivella, que formou um grupo de trabalho para mapear e negociar desocupações, com reassentamento dos moradores. Dessa vez a prefeitura apenas prometeu conceder aluguel social, que já não compensa a perda material diante das perdas com tijolos, cimento e outros recursos para construção de casas no local.

[Read More]

Belo Horizonte (MG-Brasil): Nasce a Ocupação Anita Santos

Há cerca de dois meses, um grupo de sem-tetos e população de rua ocupou um terreno situado no bairro Carlos Prates, ao encontro das avenidas Tereza Cristina e Nossa Senhora de Fátima. Dezenas de pessoas já estão morando no local e construindo suas moradias conquistando pela luta um espaço onde morar nesta cidade, resistindo apesar das ameaças da polícia que veio tentar intimidar os ocupantes. A ocupação foi batizada “Anita Santos” em homenagem à Anita Gomes dos Santos ex-moradora de rua e lutadora em defesa da população de rua que faleceu em 26/07/2017.

[Read More]

Brasil: Incêndios e criminalização, ofensiva contra a luta por habitação

Depois de 8 anos de política de “pacificação policial” a Ocupação Chiquinha Gonzaga hoje é criminalizada por suspeita de narcotráfico em seu espaço.

No último 1º de Maio, dia de memória da classe trabalhadora, enquanto diversos setores da sociedade faziam suas atividades para lembrar a data, muitas pessoas foram surpreendidas com o incêndio da ocupação do edifício Wilton Paes de Almeida, no Largo do Paissandu, em São Paulo. O fogo se espalhou e provocou o desabamento do prédio. Em torno de 150 famílias, ou 400 pessoas, viviam ali. O Corpo de Bombeiros confirmou quatro mortes, incluindo a de uma criança, ao menos 7 desaparecidos e 44 nomes de pessoas não localizadas, que estavam no cadastro da ocupação[1]. Até hoje, moradores estão sem solução e sem reassentamento.

[Read More]

Rio de Janeiro (Brasil): A Ocupação Chiquinha Gonzaga resiste!

Segundo informações obtidas por moradores junto a Defensoria Pública, está sendo articulada a remoção da Ocupação Chiquinha Gonzaga entre prefeitura e Iterj (Instituto de Terras e Cartografia do Rio de Janeiro), depois do massacre midiático apresentado pelas reportagens da TV Globo. Chegou ao conhecimento do Nuth (Núcleo de Terras e Habitação da Defensoria), um pedido de apoio ao CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) para a desocupação da Chiquinha.

[Read More]

Setúbal (Portugal): Concentração em solidariedade com a C.O.S.A.

Passado 1 ano da última audiência prévia voltamos a juntar companheires, amigues e todas que estão solidárias com a C.O.S.A (Casa Ocupada de Setúbal Autogestionada) para continuar a resistir. Na COSA não se toca. Vamos passar uns dias em grande descobrindo novas e reforçando velhas afinidades. Vão haver actividades, belo píteu, acções, exercício, música e tudo mais que desejarmos. Aparece sem medos e divulga!

[Read More]

Vicente Dutra (RS-Brasil): Semana de mobilização no território Kaingang

Entre os dias 9 e 11 de maio, ocorreu uma jornada de mobilização no território indígena Rio dos Índios do povo Kaingang, perto de Vicente Dutra, no Rio Grande do Sul. Nesta ocasião, os indígenas plantaram quatro mil mudas de araucária em uma área que foi retomada de uma fazenda desde 2016. A araucária é uma árvore da região, atualmente quase desaparecida, e uma das bases da alimentação tradicional do povo Kaingang.

[Read More]

Passo Fundo (RS-Brasil): Famílias Kaingang realizam retomada de terra

Um grupo de famílias Kaingang, reunindo cerca de 60 pessoas, iniciou na manhã de sábado (12) um processo de retomada de uma área localizada entre os municípios de Passo Fundo e Carazinho, no norte do Rio Grande do Sul. As famílias vieram de acampamentos Kaingang instalados na região que vêm sofrendo repetidas ameaças e operações de despejo. No dia 15 de fevereiro deste ano, um grupo de 12 famílias Kaingang foi alvo de uma violenta operação de despejo por parte da Brigada Militar, que resultou em vários feridos por balas de borracha e motivou uma nota de repúdio por parte do Conselho Indigenista Missionário (Cimi).

[Read More]

Feira de Santana (BA-Brasil): A ocupação urbana Quilombo Lucas da Feira completa 7 anos

Há 7 anos, em 23 de abril de 2011, cerca de 400 pessoas entre mulheres, homens, idosos e crianças organizadas pelo Movimento Sem Teto da Bahia (MSTB) ocuparam o terreno da antiga fábrica da Alimba, às margens da BR-116 Norte, dando início à ocupação urbana Quilombo Lucas da Feira. São 7 anos de luta, sobrevivência e resistência, entre avanços e recuos, sorrisos e lágrimas, as contradições e alegrias da luta real pela vida do nosso povo. Seguimos em luta e honrado a memória dos nossos mártires: Lucas da Feira, George Américo, Visa e Joquielson seguem vivos em nossa resistência por moradia e vida digna.

[Read More]

Lisboa: Rock in Riot – Ocupar a rua, reclamar a Cidade!

A modernização de Lisboa nas últimas décadas tem vindo a redesenhar o território metropolitano enquanto um gigantesco negócio. Os espaços que outrora eram vividos colectivamente estão agora reconfigurados enquanto mero meio de criar dinheiro e as infraestruturas que visavam organizar a vida colectiva parecem agora apenas organizar a velocidade das interacções económicas.

[Read More]

São Paulo (Brasil): Moradores tentam resistir à remoção no Parque Bristol

A ocupação de sem-teto situada entre as ruas Farid Miguel Haddad e Giácomo Cozzarelli, na região do Parque Bristol, na Zona Sul de São Paulo, foi removida esta manhã (dia 24 de outubro) pela Polícia Militar. Xs moradorxs, que já tinham sido avisadxs da reintegração de posse, tentaram resisistir até o final e atearam fogo em alguns pontos do bairro para impedir a entrada de Oficiais de Justiça e da PM.

[Read More]