Porto Alegre (Rio Grande do Sul): Novo espaço da Biblioteca Kaos

20170402_opening_Biblioteca_KaosOcupamos de novo! A Biblioteca Kaos tem novo espaço.
O domingo 12 de março entramos na casa da Rua Coronel João Manoel 641, antes o morro da formiga. Casa que estava abandonada faz três anos, no meio do centro histórico de Porto Alegre, e que é parte das heranças de duas das famílias mais burguesas, donos da cidade faz séculos: Chaves Barcellos e Wallig.
Temos a absoluta certeza de que estamos incomodando os poderosos que já apareceram para nos ameaçar e muito risivelmente para nos convidar a ser parte dos seus projetos de capitalismo alternativo. Nossa resposta é uma só: somos ocupas, anarquistas, e com a burguesia não temos conversa nenhuma.
Para nossa surpresa e alegria, a vizinhança apoia totalmente a ocupação porque vieram que poucas pessoas arrumaram um espaço que faz anos estava sem uso. A interação com eles foi uma clara atitude de solidariedade e iniciativa não só nas palavras mas sobretudo na ação, participando pouco a pouco da limpeza do lugar e apoiando com sua presença em algumas das visitas dos donos.
Depois das ameaças dos Burgueses de nos jogar pra fora com seus capangas e pitbulls, as galera das outras okupas da cidade chegaram para nos fazer sentir sua solidariedade e ajuda.
Neste momento ainda estamos na briga pelo espaço mas nossa decisão desde o início é permanecer sem negociação, nem jurídica nem verbal com os proprietários. A ocupação é uma pratica subversiva que não pode ser engolida pelas normas de propriedade imobiliária, é a resposta efetivas à acumulação absurda da terra em mão de uns poucos privilegiados. Nossa determinação diante disto é clara: casa abandonada, casa ocupada.
Mandamos nosso salve à Solidaria que enfrentam um desalojo nestes próximos dias, compas um desalojo, outra ocupação!!! Aos compas das Okupas, na Gracia, à okupa Nadir, e CCF, compas seguimos! Às Bibliotecas Flecha Negra na Bolivia, Sacco e Vanzetti e Sebastian Oversluij no Chile, e a todos os espaços autogestionados na procura da anarquia.
Desde um novo espaço, aqui seguimos onde sempre estivemos: na procura da liberdade e contra toda autoridade!
Nos próximos dias difundiremos os horários e atividades da biblioteca. [Read More]

São Paulo (Brasil): Dezenas de prédios são ocupados na luta pela moradia e em solidariedade ao movimento contra a PEC 241

Une

No último domingo à noite, uma dezena de prédios foram ocupados em São Paulo numa ação coordenada pelos movimentos sem-teto, dos quais participam a FLM (Frente de Luta por Moradia) e o MMPT (Movimento de Moradia Para Todos).

Além da luta pela moradia, essa ação conjunta foi realizada em solidariedade ao atual movimento contra a política de austeridade do governo Temer. Atualmente, são mais de 1200 escolas e uma centena de universidades que estão ocupadas contra a PEC 241, projeto de emenda constitucional que prevê congelar os investimentos em saúde e educação nos próximos vinte anos.

[Read More]

Barcelona: Voltaremos ao Banc – Texto escrito após o despejo da ocupação El Banc

Mossos-del-Banc-Expropiat-Gracia_mayo2016-logo

Este texto foi escrito logo após o despejo da ocupação El Banc Expropriat, no bairro de Gracia, em Barcelona. O despejo foi realizado no dia 23 de maio de 2016, após um conflito de cerca de 10 horas entre a polícia e xs ocupantes. O espaço estava ocupado desde outubro de 2011. O texto foi traduzido a partir da versão original, em catalão.

Anteontem, dia 23 de Maio, expulsaram El Banc Expropiat, depois de mais de 160 dias de resistência (mais de 100 durante a primeira campanha e, desta vez, 87 dias). [Read More]

São Paulo (SP): Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto ocupa prédio da Presidência da República e faz o governo recuar.

MTST-tag-300

Centenas de pessoas ocuparam hoje parte do prédio da Presidência da República, localizado no centro de São Paulo, durante ato organizado pelo MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) contra o corte de verbas destinadas à moradia social e contra a suspensão do programa Minha Casa Minha Vida pelo governo Temer.

O ato, que ocorreu na Avenida Paulista, foi também contra a ação da Polícia Militar, que no domingo passado retirou os sem-teto que estavam acampados nas proximidades da residência de Michel Temer para protestar contra seu governo.

[Read More]

Belo Horizonte (MG): Toda solidariedade com a Ocupação feminista Tina Martins ameaçada de despejo.

Tina Martins

No último dia 08 de março, o movimento feminista Olga Belnário ocupou um prédio abandonado no centro de Belo Horizonte. As ocupantes exigem que o prédio seja desapropriado e transformado em Centro de referência para mulheres vitimas de violência. Desde então, o prédio se tornou local de moradia para dezenas de mulheres, recebendo diariamente reuniões, assembleias e encontros culturais e políticos além de funcionar como abrigo e centro de atendimento psícologico para cerca de 200 mulheres em situação de rua ou de violência.

[Read More]

Contagem (MG): Encontro libertário Terra Preta na Ocupação Guarani Kaiowá

terrapreta

Nos dias 02, 03, 09 e 10 de abril acontecerá a segunda edição do Encontro Libertário Terra Preta na Ocupação Guarani-Kaiowá localizada no bairro Ressaca
em Contagem (MG). O Terra Preta é um festival autogestionado que conta com diversas atividades e vivências: oficinas, debates, mutirões, etc. Este ano, o Terra Preta terá oficina de vídeo, mutirão de permacultura, capoeira, saraus de poesia, campeonato de passinho e muito mais…

A programação completa está sendo atualizada diariamente, e ainda está aberta
para propostas. Confere neste link:

https://ocupacaoguaranikaiowa.wordpress.com/2016/03/29/programacao-do-terra-preta/

Montevidéu (Uruguai): Semana internacional de agitação contra o desalojamento do centro social autônomo La Solidaria

2016-02_Montevideo_LaSolidaria_semana La solidaria é um centro social autônomo que funciona desde 2012, quando o local foi ocupado para construir um espaço que servisse como uma ferramenta a mais para a prática de nossa própria autonomia e o desenvolvimento da nossa luta social. No final de outubro do ano passado recebemos uma carta de despejo ordenando abandonar o lugar mas, a exemplo da última tentativa em 2013, não será tão fácil.

Temos defendido e defenderemos o local não como um espaço físico, mas como um espaço onde desenvolvemos códigos e valores opostos aos que impõem as relações intermediadas pelo Estado e o capital, para fortalecer outro tipo de relacionamento baseado na solidariedade e na ação direta. [Read More]

Aldeia Cahy (BA – Brasil): Violenta reintegração de posse retira indígenas Pataxó de sua área tradicional

ALDEIA CAHY 1

Uma truculenta ação de reintegração de posse ocorrida na aldeia Cahy, localizada na Terra Indígena (TI) Comexatibá, na Bahia, pegou de surpresa 24 famílias do povo Pataxó do extremo Sul da Bahia na manhã desta terça-feira (19). Casas foram destruídas, muitas delas com os pertences dxs indígenas em seu interior, além do posto de saúde e da escola, cujos materiais local foram jogados em uma área a quase um quilômetro da aldeia.

[Read More]

Juti (MS – Brasil): Guarani e Kaiowá ocupam e retomam parte de seu território tradicional.

retomada GK MS 1

Na madrugada desta sexta (15), indígenas do povo Guarani e Kaiowá retomaram mais uma parte de seu território tradicional na Terra Indígena (TI) Taquara. A área retomada, sobre a qual está sobreposta uma fazenda, é conhecida pelos indígenas como Lechucha e integra a tekoha – lugar onde se é – Taquara, localizada junto ao município de Juti, no Mato Grosso do Sul (MS). Durante o dia de hoje, indígenas relataram ter recebido ameaças de homens armados em caminhonetes, os chamados “jagunços” ou “pistoleiros”.

[Read More]

Atenas: Nova Okupa no 58 da rua Themistokleous, em Exarchia

20151210_new_squat_in_Themistokleous_Street_58_Exarchia_AthensNa noite de domingo, 10 de Janeiro de 2016, ocupámos o prédio vazio na rua Themistokleous nº 58, em Exarchia, Atenas. A intenção é abrir um lugar onde xs imigrantes – bloqueadxs aqui na Grécia, devido às políticas europeias de imigração- possam viver e se auto-organizar, livres do controle do Estado. Somos um grupo de indivíduos de diferentes lugares e contextos, conectado através da luta contra o Estado, nações, fronteiras, campos de concentração para imigrantes, prisões, capitalismo; eventualmente contra todas as partes deste sistema podre de dominação que nos oprime. Estamos abertos a qualquer um/a que concorde com os nossos princípios básicos e que, sem qualquer agenda política oculta, queira participar no projeto.

Esta Okupa não se destina a ser um serviço público. Não somos “voluntários” e não vemos os imigrantes como vítimas. Um dos desafios deste projecto será o de superar, na prática, a separação que nos foi imposta por fronteiras e cidadania. Esta casa almeja tornar-se num lugar onde as pessoas se organizem e que mutuamente aprendam umas com as outras, independentemente das suas origens. [Read More]