Lisboa (Portugal): A Câmara Municipal e a especulação continuam a despejar

Nesta manhã, a polícia realizou o despejo de 5 pessoas que ocupavam um prédio na Rua de Marvila nº52 desde dezembro. O prédio estava devoluto há mais de 10 anos, as pessoas não tinham onde morar e viviam sem água e electricidade. O prédio era da Câmara Municipal de Lisboa que o vendeu a um investidor privado. Hoje esse investidor disse que quer a sua propriedade vazia, devoluta, despejada… E as cinco pessoas que lá moravam vão ficar sem casa.

[Read More]

Amadora (Portugal) : Famílias são despejadas na Quinta da Lage

Atendendo à pressão da especulação imobiliária, a Câmara Municipal de Amadora segue demolindo as casas da Quinta da Lage. Nesta quarta-feira, dia 12 de junho, seis casas foram demolidas e três famílias foram despejadas, inclusive crianças e uma mulher grávida, sem nenhuma alternativa de moradia.

Os moradores da Quinta da Lage já lutam há meses pelo direito à habitação e contra a política de demolição de casas coordenada pela Câmara Municipal iniciada este ano, impulsionada pela especulação imobiliária devida à previsão de chegada do metrô na zona.

[Read More]

Lisboa (Portugal): Famílias ameaçadas de despejo resistem na Penha de França

Hoje, na Penha de França, na Quinta Santo Antonio, várias famílias estavam a ser despejadas.

Famílias que ocuparam casas depois de terem perdido a sua própria casa para essas políticas de habitação da Câmara Municipal de Lisboa: onde há cada vez mais habitações de luxo para os super-ricos e cada vez menos casas para as pessoas trabalhadoras morarem.

Iam hoje ser postas na rua sem nenhuma solução habitacional adequada! Porém, juntos de uma rede de solidariedade e apoio da Stop Despejos e da Habita, conseguiram resistir! Porém a luta deles não foi ganha, ainda há o risco de despejo esta semana!

[Read More]

Setúbal (Portugal): Concentração em solidariedade com a C.O.S.A.

Passado 1 ano da última audiência prévia voltamos a juntar companheires, amigues e todas que estão solidárias com a C.O.S.A (Casa Ocupada de Setúbal Autogestionada) para continuar a resistir. Na COSA não se toca. Vamos passar uns dias em grande descobrindo novas e reforçando velhas afinidades. Vão haver actividades, belo píteu, acções, exercício, música e tudo mais que desejarmos. Aparece sem medos e divulga!

[Read More]

Setúbal: À da Maxada, jornadas de trabaho colectivo*, 7-14 Maio

Convidamos todxs para uma semana de (des)construção á Maxadada! Para melhorar o espaço precisamos de dar uns toques nas vedaçoẽs, esgoto, telhados, forno e horta. E também estamxs abertxs as propostas para construir coisas novas – será forno solar, casa na árvore, filtro para as águas residuais ou algo diferente?

Sempre precisamos de mais materiais de construção: tijolos, cimento, barrotes, parafusos, buchas, dobradiças, fechaduras, tintas, lonas, pincéis, rolos, materiais de isolamento, arame farpado, redes etc. Da nossa parte podes contar com sítio para dormir, comida vegan e suminhos ))

Aparece e traz as tuas ideas, vontade e amigos! [Read More]

Setúbal: 2º aniversário d´À da Maxada, 30, 31 de Março e 1 de Abril 2018

À da Maxada, é uma quinta okupada em Setúbal. Com espaços para hortas, musica, artes,oficinas, ou uma serie de outras actividades, sempre numa perspectiva auto-gestionada, anti-comercial, DIY.
2º aniversário d´À da Maxada, 30, 31 de Março e 1 de Abril 2018. Queres participar? Entra em contacto.
Não temos estacionamento!!! Deixa o veículo antes de entrar na estrada de terra batida!!

À da Maxada
Setúbal, Portugal
https://adamaxada.wordpress.com/
https://squ.at/r/3gpy [Read More]

Lisboa: Nova ocupação Anomalia

Sou humanx, jovem, velhx, pirata, estudante, sem-abrigo, trabalhadorx, fracx, forte, timidx, faladorx… Sou Lisboa, Europa, Mundo. Nasci nesta sociedade que me vê como um número, como uma lista de bens materiais, alguém que tem de jogar um jogo para o qual não me voluntariei e que não quero jogar. Passeio as ruas de Lisboa e vejo as casas abandonadas que a enfeitam, vejo as caixas cartões que uns compram para mudar de casa e outros usam como cama, oiço música e queixumes. Quero viver aqui. Quero poder viver aqui. Mas como o fazer? Deixar de falar de autonomia e ceder ao ciclo vicioso que me leva a estudar, trabalhar e reformar? Tentar alugar um quarto, uma casa? Endividar-me? Não quero. Não quero! Quero poder viver como eu quero.

Quero ser autónomx – quero viver à parte deste sistema que me sufoca e me deprime, este sistema que enche as ruas de publicidade e considera um tag criminoso, que aumenta o ordenado mínimo 50€ e as rendas 200€, despeja pessoas para fazer mais airbnb ou hostels, que queima comida, que não acaba de construir as escolas mas constrói ruas lindíssimas no centro, que planta eucaliptos que queimam todos os anos e a água escassa , que… que… nem sei. Mas sei que não quero viver assim, por isso escolhi viver de forma diferente. Escolhi reciclar, okupar, cantar, não ter patrão, fugir do rebanho. [Read More]

Lisboa (Portugal): Comunicado da Assembleia de Ocupação de Lisboa – AOLX

Nos últimos anos, para além da precariedade laboral em que impera a mão-de-obra barata que nos segrega e atomiza, temos vindo a assistir a uma crescente precarização da habitação no centro da cidade, onde se acrescenta à velha questão «se amanhã teremos trabalho e em que condições» a mais recente novidade «se amanhã teremos casa». Tendo em conta que entre 2013 e 2016 houve um aumento médio das rendas em Lisboa na ordem dos 39% que se traduziu numa renda mensal média de 830€ e que o salário médio líquido em Lisboa ronda os 890€, podemos afirmar que estamos perante uma incomportável taxa de esforço de 93%, bastante acima dos cerca de 30% recomendados.

[Read More]

Setúbal (Portugal): Relatos de violência policial num domingo de pizzas na A da Maxada

Na tarde de domingo de pizzas na A da maxada dia 19 de Novembro, lá por volta das 18:30 apareceram cinco carros e uma carrinha da polícia . Nós estávamos a fazer e a comer pizza como noutro Domingo qualquer, quando um companheir@ nos diz que estava alguém estranho no portão, a apontar a lanterna e a dizer que era polícia. Nesse mesmo momento vimos cair um calhau vindo do lado da rua que por nossa sorte não atingiu ninguém (o calhau tinha uma dimensão de quase 20cm). Neste momento reparámos que a polícia já estava na porta de cima. Percebemos que estavam muito agressivos e perguntamos porque é que estavam ali e o que é que se passava. Eles só diziam “abre a porta, abre a porta” e logo de seguida decidiram entrar ao pontapé, partiram a fechadura e a porta abriu violentamente batendo na cara de um companheir@ abrindo-lhe um lenho na testa. Mais companheiro@s protegeram a porta barricando-a, telefonámos rapidamente para o advogado a dizer o que se estava a passar. [Read More]

Fay-de-Bretagne (França): Mensagem de solidariedade após o despejo da Travessa no Porto

Ontem, a ocupação L’Ancre Noire, situada nos arredores da ZAD de Notre Dame des Landes, na França, publicou esta mensagem e colocou uma faixa em solidariedade com a ocupação A Travessa que foi despejada no Porto esta segunda-feira e com as ocupações em Portugal em geral:

Fora o turismo, okupa tudo! Solidariedade com xs okupas de Porto

Nesta manhã (16 de outubro 2017) acordamos revoltados pelo sentimento de impotência diante do despejo do espaço ocupado na semana passada no centro da cidade do Porto, A Trâvessa. Porto e seu centro histórico invadido pelo turismo de massa enquanto suas periferias continuam miseráveis, sempre será a metrópole impossível do norte do Estado – pelas suas ruas, seus aspectos selvagens, suas ilhas, seus pequenos bairros incrustados há séculos nos becos sem saída… Locais onde os turistas não se arriscam por medo dos gunas e pela ausência de ponto de informação.

[Read More]