Atenas: anarquistas reagem ao despejo da okupa Kouvelou

O governo grego entrou em guerra com anarquistas e antiautoritários, após o fim de um ultimato de 15 dias emitido pelo Ministro da “Ordem Pública”, direcionado às dezenas de okupações políticas e de refugiados por toda a Grécia (algumas delas com mais de 10 anos), ameaçando-as com despejos violentos pela tropa de choque e forças especiais da polícia, se eles não abandonassem os locais dentro do prazo. O prazo acabou na noite de quinta-feira, 5 de dezembro de 2019, uma decisão política pelo Estado grego com o objetivo de agitar e criar uma “atmosfera explosiva”.

Após a primeira onda de ataques e despejos, principalmente contra okupas de refugiados durante o outono, a segunda onda de ataques começou, desta vez contra okupas políticos e centros sociais. Coincidindo com a prisão de antifascistas e a proposta judicial de absolvição de líderes neonazis no julgamento do partido fascista Aurora Dourada, o governo grego de direita e o seu autoproclamado socialista Ministro da “Ordem Pública” prosseguiram com o despejo da Villa Kouvelou em Marousi, Atenas, na terça-feira, 17 de dezembro, enquanto outras três okupas foram despejadas hoje, 18 de dezembro, em Koukaki (Matrozou 45, Panaitoliou 21, Arvali 3), após uma operação policial enorme, que aterrorizou todo o bairro com a brutalidade policial, atacando pessoas que vivem em casas adjacentes que não eram okupas. Imagens brutais de policiais da SWAT grega pisando com as botas na cabeça das pessoas no chão e uma mãe amarrada no chão do terraço com um capuz na cabeça, lembrando imagens da tortura de Abu Ghraib, foram divulgadas na mídia.

Enquanto o texto dessa info está sendo escrito, tornou-se conhecido que por volta das 22h00 do dia de hoje, 18 de dezembro, pessoas atacaram lojas e bancos próximos a praça principal de Atenas em Syntagma, enquanto a árvore de Natal da Praça de Exarchia em Atenas foi incendiada. Enquanto isso o governo grego proclamou que mais de 20 okupas, apenas em Atenas, serão violentamente despejados até o final de 2019. Os ataques policiais parecem ser o fósforo que colocará fogo em uma situação já explosiva durante as festividades de Natal e Ano Novo.


Anarquistas assumem a responsabilidade de queimar a árvore de Natal na praça Exarcheia

Na quarta-feira 18/12/19, por volta das 23h45, nós, como um grupo de anarquistas, queimamos a árvore de Natal na praça Exarcheia, que o Regime colocou na praça na mesma manhã.

Nossa resposta ao Regime é muito clara:

1- A resistência em Exarcheia (e em outras áreas) nunca acabará.
2- Nós, como proletariados e oprimidos, não celebraremos esses festivais porque não fazem parte da nossa cultura, nossa cultura é resistência e luta pela revolução social e nossa celebração é a revolução social que criará liberdade e igualdade em nossas vidas.
3- O Regime está tentando mudar o perfil histórico da Exarcheia revolucionária, mas o Regime deve saber que mesmo massacrando todos nós não poderão mudar um bairro que está lutando em defesa de sua cultura.

ESTAMOS AQUI, NÃO VAMOS SAIR, PORQUE AQUI ESTÁ NOSSO BAIRRO. POLICIAIS E RICOS QUE DEVEM SAIR.

Solidariedade ao companheiro Dimitris Chatzivasileiadis.
Força ao grevista de fome Kostas Sakkas.


Ocupações em Grécia: https://radar.squat.net/pt-br/groups/country/GR/squated/squat
Grupos em Grécia: https://radar.squat.net/pt-br/groups/country/GR
Calendário de eventos em Grécia: https://radar.squat.net/pt-br/events/country/GR


Agência de Notícias Anarquista
https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/12/21/grecia-video-atenas-anarquistas-reagem-ao-despejo-da-okupa-kouvelou/

https://noticiasanarquistas.noblogs.org/post/2019/12/24/grecia-anarquistas-assumem-a-responsabilidade-de-queimar-a-arvore-de-natal-na-praca-exarchia/