Tessalónica (Grécia): Declaração do coletivo Libertatia após o ataque fascista

Domingo, 21 de Janeiro, às 13h30, pouco antes das manifestações nacionalistas da Macedónia, os grupos fascistas que participaram lançaram uma série de ataques em espaços ocupados. Eles atacaram primeiro a escola livre “Social” e depois de terem sido repelidos com sucesso aproximaram-se da nossa ocupação, causando danos à fachada e à cerca. Os danos foram reparados pelos membros da nossa okupa que optaram por participa na manifestação anti-nacionalista em Kamara, mais tarde.

Cerca de duas horas depois, um grupo de 60-70 fascistas atacou novamente a nossa ocupação com molotovs e bombas de fumo, causando um incêndio no edifício. Naquele momento, não havia ninguém lá dentro, pois estavam na concentração de Kamara. Durante o ataque estave presente a polícia MAT que não interveio e ofereceu proteção aos fascistas, enquanto um caminhão estava estacionado não muito longe da polícia. O bairro reagiu veemente, gritando contra os fascistas, que reagiram por sua vez com insultos e lançamentos de fumo. Quando os fascistas tentaram retornar à Escola “Social”, a polícia manteve a mesma atitude: ofereceram cobertura aos fascistas ee isolaram os companheiros lá dentro. [Read More]

Dortmund (Alemanha): Resumo da Luta em Prol do Centro Social okupado Avanti

Na noite de sexta-feira, ativistas ocuparam a antiga igreja St. Albertus Magnus em Dortmund, que estava sem uso por mais de 7 anos. Apenas alguns minutos após a ocupação o publico em geral já estava ciente e cerca de pessoas chegaram à região e realizarão um encontro em frente à igreja, em solidariedade com o projeto e os okupas. É claro, não demorou muito para que os policiais também chegassem até o local, mas eles não tentaram invadir o prédio somente controlarão as pessoas que estavam fora. No dia seguinte, um sacerdote encarregado dos assuntos da igreja falou com os okupas e afirmou que iria tolerar a ocupação por uma semana. Imediatamente ativistas começaram a formar grupos de trabalho, tentando reformar o prédio para estabelecer um centro social. [Read More]

Kharkiv (Ucrânia): Neonazistas e Forças Policiais Atacam Okupação

Ucrânia e Grécia, uma coalizão: Nazistas e polícia!

No domingo (31/08/2014) à noite um bando de neonazistas atacaram o Centro Social Cultural Okupado “?????????” (Autonomia) em Kharkiv, que oferece ajuda aos refugiados e migrantes das regiões devastadas pela guerra no Leste da Ucrânia. Ativistas e moradores da okupação repeliram o ataque nazista assim como os dois anteriores que tinham acontecido contra a okupação. O simples fato que sucedam os ataques contra um espaço autogestionado que foi criado pelos anarquistas da “????????? ?????? ????????” (União de Trabalhadores Autônomos) e de outras iniciativas locais em um prédio abandonado e em ruínas desperta uma grande preocupação. [Read More]

São Paulo: Ataque fascista à Casa Mafalda – NÃO PASSARÃO!

sao_paulo_ataque_fascista_casa_mafalda

Na virada do dia 31 de março para o dia 1 de abril, infeliz aniversário de 50 anos do golpe empresarial-militar de 1964 no Brasil, fascistas atacaram com pichações o portão e a fachada da Casa Mafalda.

“Viva militares 64” e um estêncil dizendo “Intervenção militar já!” é o que se pode ler nas imagens (fotos em anexo).

Chama a atenção o patético e covarde modus operandi dos fascistas. Se utilizam da madrugada, assim como fazem para atacar pessoas, para relembrar um dos piores episódios da história do país. Não bastasse a tentativa fracassada de reeditar a Marcha da Família Fascista, fazem uso do estêncil, historicamente uma ferramenta de propaganda de punks e ativistas de esquerda, pra tentar divulgar suas mensagens de ódio. [Read More]

Madri (Espanha): Comunicado do “CSO La Fabrika” sobre os recentes ataques neofascistas na Serra de Guadarrama

Durante os últimos dois meses (Julho e Agosto), pelo menos cinco ataques neofascistas foram realizados contra o squat La Fabrika (Centro Social Ocupado “A Fábrica”), de madrugada, como sempre. A primeira  consistia em slogans ameaçadores assinados com símbolos nazistas, e o slogan “Alpedrete resiste” (uma aldeia próxima, onde muitos neofascistas se encontram). Apenas duas semanas depois, um grupo de desconhecidos tentaram incendiar o centro social, mas o fez de forma desajeitada que foi posto fogo em um cano de água, e que derreteu o cano, tentativa falha dos terroristas amadores. [Read More]